A proposta dos prefeitos: mini-lockdown entre 18h e 6h em Gravataí e Cachoeirinha; Eduardo ’Pilatos 2.1’ Leite, governe! – cachoeirinhaNEWS.net

cachoeirinhaNEWS.net

News

 Breaking News

A proposta dos prefeitos: mini-lockdown entre 18h e 6h em Gravataí e Cachoeirinha; Eduardo ’Pilatos 2.1’ Leite, governe!

Imagem/Reprodução

A proposta dos prefeitos: mini-lockdown entre 18h e 6h em Gravataí e Cachoeirinha; Eduardo ’Pilatos 2.1’ Leite, governe!
fevereiro 25
18:09 2021

A proposta com maior apoio de prefeitos da Grande Porto Alegre – incluindo Luiz Zaffalon (Gravataí) e Miki Breier (Cachoeirinha) – é decretar um ‘mini-lockdown’, fechando tudo entre às 18h e às 6h, mas mantendo abertas durante o dia as atividades não essenciais. As aulas presenciais também seriam suspensas. O governador Eduardo ‘Pilatos 2.1’ Leite, ou ‘LeiteNaro’, como tratei em Pilatos 2.1 : Responsabilidade é de Zaffa e Miki; Leite passou a prefeitos a bandeira da COVID, decide logo mais.

Antes de analisar, um pouco de contexto.

Prefeitos ligados à Granpal, a associação das prefeituras da região, reuniram-se na manhã desta quinta e tiraram três propostas para serem levadas ao governador: lockdown total por 7 dias, o mini-lockdown, com tudo fechando entre às 18h e às 6h, ou manter a cogestão como está, com o ‘toque de recolher’ apenas entre às 20h e às 5h, com os municípios cumprindo regras da bandeira vermelha mesmo com indicadores de bandeira preta.

Na noite de quarta, Eduardo Leite postou vídeo pedindo para prefeitos desistirem da cogestão e cumprirem as regras da bandeira preta.

O comitê científico que apresenta os indicadores para a classificação de bandeiras no Distanciamento Controlado do RS também pediu a suspensão da cogestão e a decretação de lockdown.

O mesmo apelo foi feito pelas direções dos hospitais públicos e privados do RS.

Maneco Hassen, presidente da Famurs, a associação dos municípios gaúchos, sugere lockdown de 15 dias.

Em Gravataí e Cachoeirinha os leitos estão todos ocupados, em UTI, enfermaria e retaguarda para covid. Os leitos não-covid seguem superlotados como sempre. Na região não é diferente. Porto Alegre, onde estão os principais hospitais de referência para as duas cidades, já fechou as portas. São 150 gaúchos esperando na fila da UTI – 5 já perderam a vida entre ontem e hoje.

Mais: a Justiça de Porto Alegre determinou a suspensão das aulas presenciais.

– A situação é crítica. É uma crise sanitária sem precedentes – confirmou há pouco Régis Fonseca, secretário da Saúde de Gravataí, que nesta tarde se reúne com Antônio Weston, superintendente do Hospital Dom João Becker/Santa Casa, para tentar ampliar ainda mais os leitos.

– Já abrimos 27 leitos nos últimos 10 dias e nossas 29 unidades de saúde estão abertas para pacientes com sintomas gripais leves. Mas o que temos percebido é o crescimento na agressividade do vírus, o que traz complicações para infectados – alerta, admitindo preocupação com o ‘Efeito Carnaval’, que será totalmente sentido a partir da próxima semana.

– Há 10 dias fechamos leitos no Pronto Atendimento 24 Horas e estudávamos fechar o Hospital de Campanha, pelo reduzido número de paciente. Tudo mudou – lamenta, confirmando o que antecipei um dia antes da bandeira preta, em Contágio e mortes explodem em Gravataí; E o ’Carnaval da COVID’, e alguns leitores pediram minha prisão acreditando ser fake news.

– Não teremos orçamento para manter todas as estruturas abertas durante o ano – disse, confirmando previsão do secretário da Fazenda, Davi Servergnini, que detalhei ontem em Furou a bolha da COVID: Orçamento da Saúde termina em setembro; 2021 não será um ano bom.

Falando em Davi, a imprevisibilidade da pandemia pode ser exemplificada em um hiato de menos de 24h. Na audiência na Câmara para apresentar o estado das contas públicas o secretário foi questionado por José Rosa, presidente do Sindilojas de Gravataí:

– Acabei de receber uma ligação do presidente da Fecomércio, Luiz Carlos Bohn. Queria saber se o prefeito Luiz Zaffalon vai defender a manutenção da cogestão.

Davi respondeu que sim. Que o prefeito só decretaria lockdown caso fosse obrigado pelo governador. A ideia seria “manter as vidas acontecendo” e “mudar a pauta” em busca da “normalidade”, inclusive com a volta às aulas.

Na manhã desta quinta consultei Zaffa. Ele preferiu não antecipar a posição que levaria à reunião da Granpal.

– A situação não está boa – resumiu.

Na reunião, foi um dos votos, ao lado de Miki, para que as regras fossem mais rígidas: não um lockdown, mas o mini-lockdown entre 18h e 6h.

Ao fim, fato é que ninguém, políticos ou técnicos, conseguem prever o dia de amanhã. Os prefeitos apresentaram uma proposta alternativa. São eles a receber a pressão das ruas, como tratei em Gravataí abre leitos na explosão da COVID; Zaffa e Miki ’botam os deles na reta’. O que o governador poderia fazer é governar, não repassar responsabilidades, como faz desde o início da pandemia o deprimente da república.

Eduardo Leite, o senhor não foi eleito para contar votos de prefeitos. Se não há o que fazer, e a única alternativa é o lockdown, decrete. Jair Bolsonaro terceirizou a ‘gripezinha’ e temos uma Gravataí de mortos no país.

Cadáver, ensacado a vácuo e sem velório, não compra.

Fonte: seguinte.inf

About Author

admin

admin

Liber iudicabit scribentur quo an, quo id porro labitur tractatos, sea dolorum forensibus disputando ut. Mel nibh sonet ne, laudem vidisse habemus ei sed, te stet diceret necessitatibus nam. Molestie vituperatoribus est an, an dicunt aeterno usu, cu mea admodum interesset. At etiam discere euismod has.

Related Articles

%d blogueiros gostam disto: