CRESCE A POSSIBILIDADE DE VOLTA DA LA NIÑA – cachoeirinhaNEWS.net

cachoeirinhaNEWS.net

News

 Breaking News

CRESCE A POSSIBILIDADE DE VOLTA DA LA NIÑA

Fonte: https://metsul.com/

CRESCE A POSSIBILIDADE DE VOLTA DA LA NIÑA
julho 10
12:28 2021

Fenômeno caracterizado pelo resfriamento das águas superficiais do Pacífico Equatorial esteve presente no último verão e pode estar novamente no próximo com grandes impactos no clima brasileiro e mundial.

São crescentes os sinais de que o fenômeno La Niña pode retornar. Modelos de clima, em geral, têm indicado um novo processo de resfriamento das águas superficiais do Pacífico Equatorial durante este segundo semestre com a possibilidade de o fenômeno se instalar durante a primavera, o que afetaria o clima no Brasil e no restante do mundo no final deste ano e ao menos em parte de 2022.

 episódio de La Niña de 2019/202 chegou ao fim em abril deste ano e hoje o Pacífico está oficialmente em uma condição de neutralidade. O último boletim da Administração de Oceanos e Atmosfera (NOAA), dos Estados Unidos, indicou anomalia de temperatura da superfície do mar no Pacífico Central (região Niño 3.4) de -0,1ºC e no Pacífico Leste (região Niño 1+2) de 0,3ºC. Os valores estão compreendidos na faixa de neutralidade que vai de -0,5ºC a +0,5ºC.

Quando o Pacífico encontra-se em neutralidade, a contrario sensu, a condição do clima não é de normalidade. Neutralidade não é sinônimo de normalidade em se tratando dos efeitos do Oceano Pacífico no clima tanto regional como global. Secas e inundações como ondas de calor e frio ocorrem em diferentes partes do mundo.

MODELOS DE CLIMA SINALIZAM LA NIÑA

A maior parte da mais de uma dezena de modelos de clima analisados periodicamente pela MetSul sinaliza um resfriamento do Pacífico Equatorial nos próximos meses com a provável configuração de um nova fase fria no oceano. O resfriamento se daria com maior força nos meses de primavera, no trimestre de setembro a dezembro, quando poderia se instalar novamente o fenômeno.

Projeção de anomalia da temperatura da superfície do mar para o trimestre do próximo verão do NMME a partir de modelos norte-americanos e canadenses indica um evento de La Niña no Pacífico no começo de 2022 | NOAA

O último levantamento de probabilidade divulgado pela Universidade de Columbia em parceria com a NOAA, a agência climática norte-americana, sinalizou justamente para o trimestre de primavera (outono no Hemisfério Norte) a maior chance de que retornem as condições de La Niña.

Probabilidade alta de La Niña na primavera deste ano e no próximo verão | IRI/University of Columbia/NOAA

Nesse sentido, o levantamento com base em modelos climáticos indicou para o trimestre de agosto a outubro 45% de possibilidade de La Niña e 51% de neutralidade. Por sua vez, no trimestre seguinte, de setembro a novembro, 55% de probabilidade de La Niña e 42% de neutralidade.

Para o trimestre outubro a dezembro, 62% de chance de La Niña e 35% de neutralidade. Já para o período de novembro a janeiro, 66% de La Niña e 31% para neutralidade. E, finalmente, para o trimestre de verão dezembro de 2021 a fevereiro de 2022, 60% de probabilidade de La Niña e 36% de neutralidade. As probabilidades de El Niño deixam de ser citadas porque irrisórias.

NOAA EMITE AVISO DE LA NIÑA

O Climate Prediction Center da NOAA, a agência climática do governo norte-americano, emitiu ontem um La Niña Watch para o trimestre de setembro a novembro, o que sinaliza a possibilidade de retorno do fenômeno no período. A agência se fundamenta nas projeções de modelos de clima que para o trimestre apontam um resfriamento maior das águas superficiais do Oceano Pacífico Equatorial.

Desde o começo do ano já se esboçava um cenário de possibilidade de retorno da fase fria neste ano. Modelos de clima de mais longo prazo ainda no verão apontavam condição de resfriamento do Pacífico no segundo semestre que poderia levar a uma nova fase fria. Em 12 de março deste ano, a MetSul publicou análise indicando a possibilidade de La Niña no começo de 2022.

Se retornar, como indicam as projeções, seria mais um verão (inverno no Hemisfério Norte) com o fenômeno, o segundo seguido, no que os meteorologistas dos Estados Unidos denominam de “double dip”. A MetSul recorda que houve na virada do século um período mais prolongado que oscilou entre neutralidade e La Niña com um “double dip” no período de 1998 a 2001, e que ficou marcado por eventos extremos de frio e neve nos anos de 1999 e 2000.

O QUE É O FENÔMENO E SEUS EFEITOS

O fenômeno se caracteriza pelo resfriamento das águas superficiais da faixa equatorial do Oceano Pacífico com a alteração do regime de vento na região que impacta o padrão de circulação geral da atmosfera em escala global, inclusive no Brasil. 

Quando há um evento de La Niña há uma tendência de a Terra esfriar ou na fase atual de apresentar aquecimento menor que haveria estivesse sob El Niño.

Hoje, o Pacífico encontra-se oficialmente em uma fase neutra. Por isso, mesmo com o Pacífico em neutralidade, ocorrem extremos tanto comuns em El Niño como La Niña. O Centro-Sul do Brasil e o Oeste dos Estados Unidos, por exemplo, seguem sob condição de seca – em alguns locais excepcional – a despeito do Pacífico estar neutro. O regime de chuva, assim, está longe da normalidade.

No caso do Rio Grande do Sul, há estudos mostrando efeitos em produtividade agrícola com décadas de dados sob neutralidade ao redor de um terço para produção acima da média, um terço dentro da média e um terço abaixo da média ao passo que sob El Niño a tendência maior é aumento de produtividade e com La Niña perdas na produção.

Há uma propensão a se fazer uma correlação entre El Niño e mais chuva no Sul do Brasil e La Niña maior risco de estiagem, mas esta é uma fórmula distante de correta e existem muitas ressalvas a serem feitas do ponto de vista histórico. Nenhum evento de La Niña é igual ao outro.

Apesar da grande maioria das estiagens no Sul do país terem ocorrido sob neutralidade ou La Niña, a maior seca do Rio Grande do Sul neste século, em 2005, se deu com o Pacífico Equatorial oficialmente numa condição de El Niño. Da mesma forma já houve muitos meses bastante chuvosos e até enchentes durante episódios de La Niña.

No caso do último verão, por exemplo, a MetSul enfatizava que o evento de La Niña poderia trazer estiagem, como ocorreu com perdas no milho no começo da estação, mas a mesma previsão indicava que janeiro poderia ser mais chuvoso do que a média, o que beneficiaria o ciclo de soja. 

Até porque, sob La Niña, a média dos dados das ultimas décadas mostra uma maior propensão para chuva acima da média do que abaixo da média durante o mês de janeiro em grande parte do Rio Grande do Sul.

Anomalia de precipitação no trimestre de verão de 2021 com áreas de chuva abaixo da média no Sul do Brasil e na maior parte do país | Inmet

Assim, La Niña não é uma certeza de estiagem no Sul do Brasil nem tampouco de chuva acima da média mais ao Norte e o Nordeste do Brasil. O que o fenômeno faz é aumentar a probabilidade de ocorrência destes cenários nas diferentes regiões do país. Por isso, se instalando um evento na primavera, aumenta muito o risco de estiagem no Sul do país no próximo verão.

Por fim, da mesma forma que não se pode fazer associação linear entre La Niña e seca ou El Niño e enchentes, a intensidade do fenômeno também não é o melhor parâmetro. Os dados históricos revelam que já houve casos de estiagens mais graves em eventos de La Niña fraco que sob forte a intenso.

Todas estas ressalvas de correlações que comumente são feitas são enfatizadas pela MetSul porque o clima é por demais complexo para que apenas o Pacífico seja a forçante do comportamento do clima. Mesmo a parte do Pacífico que está mais fria ou quente faz enorme diferença nos impactos. 

Existem muitas outras que passam pelo perfil atmosférico na Antártida, o comportamento do Oceano Índico, a temperatura do Atlântico Sul e em especial as variáveis denominadas intrasazonais como a Oscilação de Madden-Julian que pode interferir enormemente para atenuar ou reforçar os efeitos de La Niña ou El Niño. Enfim, o clima é um grande quebra-cabeças.

Fonte: https://metsul.com/

Tags
Share

About Author

admin

admin

Liber iudicabit scribentur quo an, quo id porro labitur tractatos, sea dolorum forensibus disputando ut. Mel nibh sonet ne, laudem vidisse habemus ei sed, te stet diceret necessitatibus nam. Molestie vituperatoribus est an, an dicunt aeterno usu, cu mea admodum interesset. At etiam discere euismod has.

Related Articles

%d blogueiros gostam disto: