Sul em colapso: por que a Covid lotou hospitais no RS, SC e PR e o que dizem autoridades e especialistas – cachoeirinhaNEWS.net

cachoeirinhaNEWS.net

News

 Breaking News

Sul em colapso: por que a Covid lotou hospitais no RS, SC e PR e o que dizem autoridades e especialistas

UTI do Hospital de Clínicas em Porto Alegre na terça-feira, 2 de março de 2021 — Foto: Silvio Avila

Sul em colapso: por que a Covid lotou hospitais no RS, SC e PR e o que dizem autoridades e especialistas
março 10
12:05 2021

Mesmo ampliando capacidade em mais de 1,9 mil leitos, agravamento da pandemia levou a ocupação das UTIs para além do limite no RS, em SC e, possivelmente, no PR. Região tem cerca de 6 mil vagas em leitos críticos.

Os três estados da Região Sul do Brasil vivem, há aproximadamente uma semana, o colapso no atendimento de pacientes com coronavírus. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) classificou 20 unidades da federação em “zonas de alerta crítico”, entre elas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, que estão com mais de 90% da capacidade das unidades de terapia intensiva esgotadas.

Especialistas ouvidos pelo G1 atribuem a lotação das UTIs a diversos fatores: progressão rápida do vírus, especialmente da variante brasileira, relaxamento da população e falta de gestão das autoridades.

Sem margem para ampliação de leitos que acompanhe o crescimento desenfreado de contágio, a equação não fecha. A falta de recursos, principalmente humanos, torna difícil de contornar o problema a curto prazo, segundo o secretário de Saúde do PR, Beto Preto.

“Nós estamos no limite de recursos humanos. O Conselho Regional de Medicina editou uma nova normativa aceitando uma equipe médica a cada 15 leitos de UTI, antes era uma equipe médica a cada 10 leitos. Está nos ajudando isso”, apontou.

Se isso não basta, a necessidade de mudança de comportamento é urgente. O RS está, há duas semanas, em bandeira preta e com restrição de atividades das 20h às 5h.

No PR42 Unidades Básicas de Saúde (UBS) serão fechadas e transformadas em pronto-atendimento, enquanto as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) passam a atender como unidades de internação para Covid-19.

E, em SC, foi preciso transferir pacientes para o Espírito Santo, mas o serviço terá de ser suspenso após aumento de hospitalizações no outro estado.

É preciso parar, apontam os especialistas. O vírus e a circulação. Para o presidente da Regional do RS da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), o médico Wagner Nedel, a disseminação da variante P.1, considerada mais transmissível e causadora de sintomas mais intensos, e a “confiança” da população, que diminuiu o isolamento social, aceleraram a progressão de casos.

“Acho que tem causa bem clara para isso foi a progressão de casos graves de uma maneira muito rápida, acelerada. Tínhamos um momento de estabilidade e a população começou a ter mais confiança”, apontou.

O epidemiologista e professor da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) Airton Stein também relaciona a postura da sociedade com a ocupação dos hospitais, e cobra uma melhora na atuação dos gestores públicos.

“[É necessário] Melhorar o sistema de informação entre o gestor municipal e a população de uma forma que entenda a relação direta da falta de comprometimento entre o comportamento populacional e o aumento muito rápido de ocupação dos leitos nas unidades de atendimento hospitalar”, disse.

Ocupação das UTIs

A capacidade de atendimento em leitos críticos do Sistema Único de Saúde (SUS) estava próxima do esgotamento no RS, com dados atualizados na manhã desta quarta-feira (10), e em SC, cujos números mais recentes foram divulgados no final da noite de terça (9).

O cenário também era preocupante também no PR, que informou a taxa de ocupação de vagas de UTI no boletim epidemiológico diário, também na terça. Veja a tabela

Ocupação dos leitos de UTI adulto, Covid e não Covid, no SUS

RSSCPR
Leitos disponíveis2.2111.3102.594
Leitos ocupados2.1191.3042.156
Taxa de ocupação95,8%99,5%83,1%

Fonte: Secretarias Estaduais da Saúde – Dados atualizados às 8h30 de 10/3

A situação se agrava quando são observados os diferentes critérios adotados por cada estado para contabilizar os casos.

No Rio Grande do Sul, o governo estadual soma leitos de UTI no SUS com os da rede privada. A taxa de ocupação está acima de 100% de ocupação desde 2 de março. No entanto, a partir do último final de semana, o estado deixou de divulgar a porcentagem geral da ocupação de vagas, alegando que os hospitais podem atender além dos 100%, utilizando as demais áreas das instituições, conforme o nível 4 do Plano de Contingência. Na manhã desta quarta, as UTIs privadas estavam com 124% de lotação.

No Paraná, a Secretaria da Saúde divide as vagas de UTI do SUS entre as exclusivas para pacientes com coronavírus, com ocupação de 95,4% na noite de terça, e as que atendem pacientes com outras doenças, com ocupação de 65,9%. Na soma, são 2.594 leitos com 2.156 pacientes internados (83,1%). As vagas são realocadas conforme a necessidade.

No Boletim Epidemiológico divulgado diariamente, Santa Catarina contabiliza a ocupação de leitos de UTI adulto no SUS, observando os pacientes com Covid-19, os pacientes por outras enfermidades e as vagas livres. O estado tem 1.310 leitos e 1.304 estão ocupados (99,5%).

Leito de UTI Covid no Paraná — Foto: Geraldo Bubniak/AEN-PR/Divulgação

Leito de UTI Covid no Paraná — Foto: Geraldo Bubniak/AEN-PR/Divulgação

Ampliação da rede

Em janeiro de 2020, antes dos primeiros registros de Covid-19 no Brasil, a Região Sul contabilizava 4.175 leitos de UTI na rede pública, segundo relatório da AMIB. Um cálculo da entidade revelava a proporção de 1,8 leito a cada 10 mil habitantes.

O número era igual ao da Região Sudeste e superior aos do Centro-Oeste, Nordeste e Norte. Além disso, a relação estrava dentro dos limites recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, de 1 a 3 leitos a cada 10 mil pessoas.

Nesta quarta-feira, conforme dados dos governos estaduais, eram 6.115 vagas de terapia intensiva para adultos disponíveis no SUS nos três estados, 1.940 a mais do que no início de 2020.

Hospital Regional São Paulo (HRSP), em Xanxerê, no Oeste de Santa Catarina — Foto: Ana Lucietto/Divulgação/HRSP

Hospital Regional São Paulo (HRSP), em Xanxerê, no Oeste de Santa Catarina — Foto: Ana Lucietto/Divulgação/HRSP

Estrutura de atendimento

Para o presidente da AMIB no RS, Wagner Nedel, a ampliação das vagas de UTI foi feita rapidamente. Entretanto, o médico alerta para o risco de piora no quadro.

“A gente nunca teve tanto leito de UTI e está vivendo o pior momento. Numa fase muito abrupta, nunca chegou a faltar leito para a população de maneira ostensiva. Se a gente não quebrar este processo, não vai ter o que fazer. Os contaminados de hoje, talvez quando eles ficarem piores daqui a 10 dias. Não vai ter leito pra eles”, afirmou.

O professor da UFCSPA Airton Stein lista uma série de fatores que considera importantes, como problemas na atenção básica, a capacidade de testagem e vacinação da população, vulnerabilidade social e cuidados para com idosos e profissionais de saúde.

O médico, que atua nas áreas de família e comunidade, afirma que o principal problema é a falta de coordenação no sistema de saúde.

“Falta de coordenação, colaboração, compartilhar os dados da vigilância epidemiológica com o propósito de melhorar o sistema de saúde”, comentou.

Na avaliação de Nedel, a simples abertura de leitos não resolve o problema, uma vez que as estruturas demandam de recursos humanos e tecnológicos.

“Abrir UTI é muito mais complexo do que abrir um puxadinho. É um cenário apocalíptico. Cada paciente consome oxigênio, sedativo, relaxante muscular, soro, outros insumos… Cateter, eletrodo, maquina de hemodiálise, exame laboratorial, ultrassonografia. Isso é uma cascata. Começa com o leito, mas vem uma série de outros insumos. Para mim, é irreal ficar abrindo leitos. Não é uma solução mágica”, observou.

Stein, por sua vez, sugere o investimento em ciência e tecnologia para aliviar o sistema na ponta.

“Há necessidade de investir na ciência e tecnologia para buscar soluções inovadoras para reorganizar o sistema de saúde, como, por exemplo, a telemedicina, a qual é essencial para auxiliar no manejo da crise do sistema de saúde devido à Covid-19”, explicou.

A solução mais próxima do alcance da sociedade, para o representante da AMIB, passa pelo aumento no isolamento social.

“Espero que já tenham se dado conta de que o único jeito pra quebrar esse processo é reduzir a circulação do vírus”, afirmou Wagner Nedel.

Autoridades

Secretários Arita Bergmann, do RS, Beto Preto, do PR, e André Motta Ribeiro, de SC — Foto: Divulgação

Secretários Arita Bergmann, do RS, Beto Preto, do PR, e André Motta Ribeiro, de SC — Foto: Divulgação

Os secretários da Saúde dos três estados do Sul do Brasil reconhecem a gravidade do momento. Além dos possíveis fatores que motivaram a alta de casos, os gestores avaliam a estrutura oferecida em cada localidade.

Segundo responsável pela pasta no RS, Arita Bergmann, ainda não há certeza se a circulação de novas variantes e a queda no isolamento social contribuíram para a crise.

“Sobre motivos, não há como se ter certeza sobre quais foram as razões, mas o momento não é de achar culpados, pois o inimigo único por tudo isso é o vírus e, neste momento, precisamos de união de todos para diminuir circulação para que possamos conter disseminação”, disse.

Para a secretária, a rede privada acabou pressionando o sistema público.

“Isso preocupa porque o estado [do RS] já ampliou em 130% o número de leitos de UTI na rede pública e a rede privada não acompanhou mesmo ritmo, se esgotando e colocando mais pressão no sistema”, avaliou Arita Bergmann.

O secretário paranaense Beto Preto ressaltou que o governo abriu leitos críticos ao longo das últimas semanas, mas que o estado carece de recursos humanos. Na avaliação dele, as medidas de restrição de circulação foram importantes para dar tempo do estado se preparar.

“Neste momento, a explosão de casos é exponencial. O que era uma estratégia de batalha se transformou numa guerra franca. Por isso estamos abrindo novos leitos, conversando com mais equipes médicas e de enfermagem para poder nos ajudar”, disse o secretário.

Em entrevista à Globo News na última quinta-feira (4), o secretário catarinense, André Motta Ribeiro, afirmou que o estado é bem organizado no atendimento de pacientes em UTI.

“Nós estamos, há um ano, organizando o estado de Santa Catarina para este enfrentamento. Mas houve falhas? Provavelmente sim. Nós temos uma dificuldade de entendimento da gravidade da doença como sociedade. Inclusive, quando se vê a baliza do que está acontecendo em Santa Catarina, que aliás é um reflexo do que acontece no Brasil e no mundo”, respondeu.

O representante da pasta ainda falou que as mortes não se dão pela falta de leitos críticos, mas pela gravidade da Covid-19.

“As pessoas não estão morrendo porque estão na fila esperando UTI. As pessoas estão morrendo porque esta doença é uma doença grave. Inclusive, pacientes em UTI também estão perdendo a vida. Isso é lamentável e é triste. O estado de Santa Catarina é um estado muito bem organizado, tanto na oferta de leitos de UTI Covid como também no APH fixo, o atendimento pré-hospitalar”, afirmou Motta Ribeiro.

Nos balanços mais atualizados dos governos dos três estados, a Região Sul contabilizava 2.143.607 casos e 34.718 mortes por Covid-19, sendo 13.837 mortes no Rio Grande do Sul, 12.711 no Paraná e 8.170 em Santa Catarina.

Fonte: G1

About Author

admin

admin

Liber iudicabit scribentur quo an, quo id porro labitur tractatos, sea dolorum forensibus disputando ut. Mel nibh sonet ne, laudem vidisse habemus ei sed, te stet diceret necessitatibus nam. Molestie vituperatoribus est an, an dicunt aeterno usu, cu mea admodum interesset. At etiam discere euismod has.

Related Articles

%d blogueiros gostam disto: