URGENTE: Gravataí e Cachoeirinha: Justiça mantém bandeira preta e suspende poder de prefeitos; – cachoeirinhaNEWS.net

cachoeirinhaNEWS.net

News

 Breaking News
  • VACINAÇÃO NESTA SEGUNDA-FEIRA, 26 🚨 ATENÇÃO: O intervalo entre primeira e segunda dose de AstraZeneca e Pfizer é de 12 semanas. 💉 ASTRAZENECA: ▪️Apenas segundas doses para quem está no prazo. 🏥Unidades: ESF Carlos...
  • VACINAÇÃO NESTA SEXTA-FEIRA, 23 ▪️ 33+ Público em geral ▪️18+ Caminhoneiros, pessoas com comorbidades ou deficiência permanente, profissionais da saúde, trabalhadores da educação, grupos anteriores que não receberam nenhuma vacina e quem já está...
  • VACINAÇÃO NESTA QUARTA-FEIRA, 21 Apenas segundas doses de AstraZeneca e Coronavac para quem já está no prazo. A aplicação de primeiras doses será retomada assim que chegarem novas remessas. 🏥 Unidades: ESF Carlos Wilkens,...
  • AUXÍLIO EMERGENCIAL: Os profissionais do esporte já podem fazer seu requerimento Para os trabalhadores da Cultura, o primeiro passo será realizar seu cadastro cultural. Os documentos devem ser entregues no Shopping do Vale. A prefeitura receberá até 29/07 os requerimentos dos...
  • VACINAÇÃO NESTA SEGUNDA-FEIRA, 19 Nesta segunda-feira, 19, a vacinação está aberta para o público em geral com mais de 35 anos, população acima de 18 anos dos seguintes grupos: caminhoneiros, pessoas com comorbidades ou...

URGENTE: Gravataí e Cachoeirinha: Justiça mantém bandeira preta e suspende poder de prefeitos;

Imagem/Reprodução

URGENTE: Gravataí e Cachoeirinha: Justiça mantém bandeira preta e suspende poder de prefeitos;
março 20
11:22 2021

A cogestão está suspensa e a bandeira preta mantida em Gravataí, Cachoeirinha e todo Rio Grande do Sul por decisão de Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre, no final da noite desta sexta-feira.

Reputo irrepreensível o despacho porque o juiz negou o pedido de lockdown de 14 dias, para não substituir o poder do governador, mas simplesmente pediu que Eduardo Leite apresente indicadores que permitam a flexibilização em um cenário de caos hospitalar.

A decisão mantém as regras atuais e proíbe a liberação de atividades no comércio, nos restaurantes e em outras funções, como salões de beleza, anunciadas ontem em live. A Procuradoria Geral do Estado tem 72h para prestar informações que justifiquem uma reabertura de atividades.

A ação civil pública foi impetrada por vários sindicatos do Estado, como o Cpers-Sindicato, que representa os professores das escolas estaduais, o Sindicato dos Municipários (Simpa), o Sindisaúde, que representa os profissionais de saúde, e centrais sindicais, como a CUT e a Intersindical.

Além dos dados que mostram a superlotação de leitos e UTIs, os autores da ação usaram como base audiência pública da Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa onde gestores presentes – incluindo a Santa Casa – unanimemente alertaram que há muita preocupação, pois “o risco de falta de medicamentos e de oxigênio alarma dirigentes de hospitais do Rio Grande do Sul”.

O juiz observa que “pela natureza da demanda, é caso de colher informações preliminares ao Governo do Estado para subsidiar uma melhor análise do pedido liminar”, mas “é pública e notória a situação de caos nas redes pública e privada de saúde do nosso Estado, que se encontram sem condições de assegurar um atendimento minimamente adequado à população, seja em relação aos enfermos pela COVID-19, assim como por qualquer outra enfermidade que reclame tratamento hospitalar com brevidade, sob risco de dano à saúde do paciente”.

O juiz cita dados da sexta que mostram que 239 pessoas aguardam por leito de UTI apenas em Porto Alegre, que se encontra com 114,12% de lotação dos seus leitos de UTI, e, segundo o monitoramento de ocupação de leitos públicos e privados de UTI do Governo do Estado, neste momento, existem no RS 3.606 pacientes internados, mesmo existindo apenas 3.261 leitos de UTI, “ou seja, a taxa de ocupação está em 110,57%”.

Entende o juiz que na live em que explicou o novo modelo de cogestão, na noite desta sexta, o próprio governador reconheceu que o momento é muito crítico, com risco alto de transmissão do vírus e muita dificuldade no setor hospitalar e relatou que visitou vários hospitais e todos profissionais da área da saúde e dirigentes dos hospitais entendem que manter as restrições de circulação são essenciais e importantes.

O juiz observa que Leite admitiu, ainda, que do ponto de vista estritamente sanitário, estão os profissionais da área da saúde com toda a razão. Mas, que do ponto de vista da economia, não do grande empresariado, mas da economia das famílias, que já estão exauridas em suas condições de sobrevivência impõe-se o retorno à cogestão com os municípios, para que as prefeituras, em conjunto, atendendo as suas peculiaridades regionais, estabeleçam flexibilizações que sejam menos restritivas do que as estabelecidas na bandeira preta estadual.

– Ocorre que é sabido, como se vê todos os dias nos meios de comunicação, inúmeros municípios, onde os prefeitos querem privilegiar a economia em detrimento das medidas sanitárias preventivas para a contenção da disseminação do vírus, há grande tolerância com o descumprimento dos protocolos mínimos de prevenção. Negar esta realidade, é fazer de conta que tal não acontece – alertou o juiz, acrescentando:

– O momento, como dizem todas as autoridades médicas, gestores de hospitalares, infectologistas, sanitaristas e cientistas que estudam e trabalham com a pandemia, exige total foco no combate à disseminação viral. Só assim haverá a diminuição da contaminação e a cessação das mutações do vírus, circunstância que só agrava o quadro de adoecimento da população. Além de ser a única forma de dar alguma condição do sistema de saúde ganhar um fôlego para atender o número de doentes graves que só aumenta.

– A manutenção das restrições severas de circulação, é o único meio de obter-se uma melhora sanitária de caráter mais geral – decide.

CLIQUE AQUI para ver a decisão na íntegra.

A argumentação é a mesma que usei nesta sexta no artigo Gravataí e Cachoeirinha: comércio que reabre segunda também tem culpa na COVID; Freud explica.

– Convençam do contrário a mim e aos 71% que, conforme o Datafolha, já defendem um lockdown de verdade para evitar que pessoas queridas morram sufocadas em casa, em ambulâncias ou em cadeiras esperando leitos de UTI – escrevi na tarde de ontem.

É o que pede o juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre.

As palavras a seguir são dele, não minhas:

– É falso o dilema de que fazer a economia ter uma retomada é o melhor caminho. As pessoas só conseguem sobrevir com um mínimo de dignidade se estiverem vivas ou sem estarem adoecidas e sem condições de trabalhar. Na verdade, a existência de segurança sanitária é que permitirá que os cidadãos refaçam suas vidas, inclusive econômica.

Ao fim, a ‘ideologia dos números’ é arrasadora e estes inimagináveis tempos são de guerra. Ninguém defende lockdown por gosto.

Trecho da canção Apenas Um Rapaz Latino-americano, do Belchior, não sai de minha cabeça.

Não me peça que eu lhe faça uma canção como se deve

Correta, branca, suave, muito limpa, muito leve

Sons, palavras, são navalhas

E eu não posso cantar como convém

Sem querer ferir ninguém

Mas não se preocupe meu amigo

Com os horrores que eu lhe digo

Isso é somente uma canção

A vida realmente é diferente

Quer dizer

Ao vivo é muito pior

E eu sou apenas um rapaz latino-americano

Sem dinheiro no banco

Por favor não saque a arma no saloon

Eu sou apenas o cantor

Mas se depois de cantar

Você ainda quiser me atirar

Mate-me logo à tarde, às três

Que à noite tenho um compromisso e não posso faltar

Por causa de vocês

Fonte: Seguinte.inf

RECEBA NOTÍCIAS POR E-MAIL

Facebook – CachoeirinhaNEWS

Calendar

julho 2021
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
%d blogueiros gostam disto: